OURO E PRATA PARA A ADEGA DE MONÇÃO NA EDIÇÃO CATAVINUM WORLD WINE & SPIRITS 2018

A Adega de Monção recebeu quatro medalhas, duas de ouro e duas de prata, na 7ª edição do concurso internacional Catavinum World Wine & Spirits, que se realizou no passado mês de fevereiro, em Espanha. O Alvarinho Deu La Deu Reserva e Alvarinho Deu La Deu Premium foram distinguidos com ouro e o Muralhas de Monção 2017 e Alvarinho Deu La Deu 2016 com prata.

 

Ouro e Prata para Deu la Deu e Muralhas de Monção

O Alvarinho Deu La Deu Premium, de 2015, distinguido com medalha de ouro, é um verde branco macio, encorpado e seco. Produzido a partir de uma seleção das melhores uvas da casta Alvarinho, evidencia a presença de frutos secos em harmonia com a madeira, resultante do estágio de quatro meses em cascos novos de carvalho Francês e Americano.

Já o Alvarinho Deu La Deu Reserva, de 2015, também vencedor de ouro, é um verde branco elaborado com casta Alvarinho proveniente de vinhedos antigos. Limpo e fresco, com forte presença do aroma a flor de laranjeira, maracujá, pêssego e alperce, é um vinho macio e encorpado, onde sobressaem os sabores frutais.

Com medalha de prata, o Alvarinho Deu La Deu, de 2016 ( na foto)  é um vinho branco seco de caráter frutado, com predominância de frutos de prunóideas, com algumas nuances a frutos tropicais e algum caráter floral, ideal para acompanhar carnes brancas, marisco e peixe.

Líder de vendas da Adega de Monção, o Muralhas de Monção, de 2017 conquistou nesta competição a medalha de prata. É um branco equilibrado, persistente, macio e seco, com carácter predominantemente frutado, onde se destacam os aromas de prunóideas (pêssego, alperce, resultantes da elevada percentagem de vinho da casta Alvarinho.

A Adega de Monção, que faturou 14 milhões de euros em 2017, representa mais de 1700 produtores e uma área de vinhas de mais de 1200 hectares, 60 por cento das quais da casta Alvarinho. É, atualmente, líder de vendas na Região dos Vinhos Verdes.

Setembro A Vida Inteira – Documentário cinematográfico e intimista sobre o mundo do vinho

“Setembro A Vida Inteira”, assim se chama o primeiro documentário cinematográfico da jornalista Ana Sofia Fonseca. Uma produção independente, a cargo da Carrossel Produções, e com a realização da autora, que chega às salas de cinema portuguesas dia 15 de Março, na sessão das 19h30. Estará em exibição nos Cinema City de Alvalade (Lisboa), Setúbal e Leiria.

Ana Sofia Fonseca vai estar presente em algumas sessões, onde partilhará as experiências que teve ao longo da rodagem deste filme. Nos dias 15 e 16, no Cinema City Alvalade, e a 17 e 18, no Cinema City Setúbal. Sempre, às 19h30. A ante-estreia é dia 14 de Março, às 21h30, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, e conta com a presença da realizadora e de várias personalidades do mundo do vinho.

O filme teve estreia mundial num festival internacional de cinema nos Estados Unidos, o ‘International Wine Film Festival’, e estreia europeia em Espanha, no ‘MOST International Wine & Cava Film Festival, onde recebeu o mais importante galardão do festival – o Grande Prémio do Júri. Os jurados destacaram a qualidade cinematográfica, narrativa e estética.

Porque nada fermenta como uma boa história, “Setembro A Vida Inteira” é uma longa-metragem com uma linguagem intimista e cinematográfica, onde as histórias das gentes do vinho são passaporte para descobrir Portugal. Numa altura em que o vinho português começa a ser reconhecido internacionalmente, este documentário é o seu retrato íntimo. Um convite à reflexão sobre a alquimia do vinho, a relação entre quem tem a terra e quem a trabalha. Mas este é também um filme sobre paixão, liberdade e fé.

Ana Sofia Fonseca: histórias do vinho, da escrita ao cinema

Licenciada em Comunicação Social e Cultural pela Universidade Católica Portuguesa, Ana Sofia Fonseca é jornalista. As histórias de vida e os temas de direitos humanos preenchem uma grande parte do seu currículo e já a levaram a África, às Américas, à Ásia e a calcorrear a Europa. Conhece Portugal de trás para a frente. De vez em quando escreve sobre o vinho. Fez parte da equipa da revista ‘Grande Reportagem’ e escreveu para as principais publicações portuguesas. O documentário veio mais tarde, caminho esse que a levou a assinar programas, como “Histórias Com Gente Dentro” e “O Meu Pequeno Mundo”, entre várias reportagens. O seu trabalho valeu-lhe o reconhecimento através do Prémio Gazeta, do Prémio AMI Jornalismo Contra a Indiferença, do Prémio Direitos Humanos e Integração da UNESCO, do Corações Com Coroa. O documentário “A Janela” foi seleccionado para o Doc Miami Film Festival. No mundo dos livros, a estreia aconteceu com “Barca Velha – Histórias de um Vinho”, seguindo-se “Angola Terra Prometida”, “Capitãs de Abril”, “Cada Garrafa Conta uma História”, “Raízes” e o romance “Como Carne em Pedra Quente”.

O ponto de partida para o enredo de ‘Setembro A Vida Inteira’ aconteceu, em 2003, altura em Ana Sofia Fonseca estava a escrever o livro “Barca Velha – Histórias de um Vinho”, quando, ao entrar no sótão da casa de Maria Luísa Olazabal, na Quinta do Vale Meão, no Douro Vinhateiro, se deparou com um cenário digno de um filme. Em Setembro de 2015 iniciava a rodagem. O resultado é um filme que conta histórias de vida, onde o que se destaca é a natureza humana, muito à semelhança do que jornalista tem vindo a fazer ao longo da sua carreira.

A banda-sonora é uma adaptação assinada por Jorge Palma do fado “Oiça lá, ó Senhor Vinho”, tornado célebre por Amália Rodrigues.

Facebook: setembroavidainteira

Herdade do Rocim lança Olho de Mocho Tinto Reserva 2015

A frescura do mediterrâneo num tinto firme e persistente. 

A nova colheita Olho de Mocho Tinto Reserva 2015 é o resultado do melhor que podemos encontrar na Vidigueira. As vinhas da Herdade do Rocim beneficiam de um clima tipicamente mediterrânico, este microclima é um dos mais temperados do Alentejo. A aposta da Catarina Vieira e do Pedro Ribeiro nas castas Alicante Bouschet,Tinta Miúda e Petit Verdot resultam num tinto de cor ruby profunda e concentrada que acompanha bem carnes vermelhas ou simplesmente uma boa mesa de queijos.